Quais são as diferentes pós-graduações que existem?

Diferentemente do que muitas pessoas costumavam pensar, os cursos superiores são apenas o primeiro degrau da qualificação profissional. É cada vez mais importante continuar estudando, tanto para se atualizar quanto para se aprofundar em conteúdos e, com isso, evoluir na carreira. 

Contudo, você talvez já pense dessa forma e esteja justamente pesquisando qual curso vai fazer. Nesse momento, é muito comum ficar em dúvida, já que existem vários tipos de pós-graduação bem diferentes entre si.

Para escolher o melhor curso, é importante compreender seus objetivos para seu futuro profissional, pelo menos no curto ou no médio prazo. Isso porque todos os tipos de pós-graduação podem ser interessantes e oferecer conteúdos valiosos. A questão é que cada um é direcionado para objetivos diferentes. 

Há diferentes categorias de pós-graduação: qual delas é mais adequada para você? (Imagem: Racool Studio/Freepik)
Há diferentes categorias de pós-graduação: qual delas é mais adequada para você? (Fonte: Racool Studio/Freepik)

Pós-graduação restrita ou ampla

De modo geral, é possível dividir os cursos de pós-graduação stricto sensu e lato sensu, ambos termos derivados do latim que significam sentido restrito e sentido amplo, respectivamente. Diversas instituições oferecem os dois tipos.

Em resumo, o primeiro tipo engloba cursos de mestrado e doutorado, que costumam ser procurados por pessoas que querem seguir a carreira acadêmica, lecionando em universidades ou realizando pesquisas em institutos. 

Porém, isso não é obrigatório; afinal, há pessoas que fazem mestrado e continuam atuando em empresas, principalmente nos casos dos chamados mestrados profissionais, que têm foco mais prático. 

Já o lato sensu inclui os cursos que costumam ser chamados de “pós” ou “especialização”, além dos MBAs. Eles são muito mais direcionados ao crescimento profissional, com abordagens mais práticas.

Em ambos os tipos, é obrigatório apresentar algum tipo de trabalho para a conclusão do curso. Nos mestrados e doutorados, você precisa fazer dissertações ou teses, com todo o rigor científico, além de publicar artigos ao longo da formação. Já nas especializações ou MBAs, dependendo do curso e da instituição, podem ser permitidos outros formatos.

Tanto os cursos lato sensu, quanto os strictu sensu, podem ser interessantes, mas para diferentes objetivos (Imagem: RF Studio/Pexels)
Tanto os cursos lato sensu quanto os stricto sensu podem ser interessantes, mas para diferentes objetivos. (Fonte: RF Studio/Pexels)

Os tipos de pós-graduação stricto sensu

Como dito, os cursos stricto sensu costumam ser buscados por quem deseja atuar em universidades ou institutos de pesquisa, embora também possam ser feitos para obter aprimoramento profissional. De todo modo, é essencial ter em mente que os conteúdos costumam ser mais teóricos e aprofundados, dentro de uma área do conhecimento. Dito isso, é importante diferenciar alguns subtipos dessa categoria:

Mestrado acadêmico

É o primeiro passo da carreira acadêmica, que confere o título de mestre. A abordagem é mais teórica do que prática, e a pessoa faz uma dissertação para concluir o curso, com a apresentação de alguma pesquisa sobre um tema específico.

Mestrado profissional

Essa é uma categoria mais recente de formação, que confere título de mestre e permite seguir a carreira acadêmica ao mesmo tempo que se concentra em conteúdos mais práticos para atuação profissional no mercado. 

Doutorado

Após a conclusão do mestrado, é possível aprofundar os estudos no doutorado, que dura mais tempo (de 4 a 5 anos) e demanda a produção de uma tese, com uma proposta inédita sobre seu tema de pesquisa. Depois disso, há os pós-doutorados (ou pós-doc), que não são necessariamente cursos, mas sim extensões da pesquisa.

Os cursos strictu sensu se aprofundam mais em aspectos científicos e técnicos de uma área (Imagem: Hannah Busing/Unsplash)
Os cursos stricto sensu se aprofundam mais em aspectos científicos e técnicos de uma área. (Imagem: Hannah Busing/Unsplash)

Os tipos de pós-graduação lato sensu

Com aulas muito mais focadas na prática, têm diversos modelos. Conheça os principais deles.

Especialização comum

É o tipo mais comum de curso que você pode fazer após uma faculdade. Também é uma boa opção para as pessoas que desejam fazer uma transição de carreira, mas não querem encarar uma nova graduação. Eles costumam ter carga horária de 360 horas, com aulas concentradas em 1 ou 2 dias da semana. Ao final, é dado um certificado de especialista, que pode valorizar o currículo do profissional.

MBA

É uma sigla em inglês, que significa Master in Business Administration. Também são cursos lato sensu, porém mais direcionados ao mundo corporativo, com conteúdos de gestão, gerenciamento e administração de empresas. 

MBA Executivo

A diferença para os MBAs “comuns” é que os executivos são voltados a profissionais com experiência, trazendo metodologias mais práticas, dinâmicas para aumentar a rede de contatos e discussões focadas na atuação dos alunos. 

Os cursos lato sensu são mais focados em conteúdos práticos, para aperfeiçoamento profissional (Imagem: Vanessa Garcia/Pexels)
Os cursos lato sensu são mais focados em conteúdos práticos para aperfeiçoamento profissional. (Fonte: Vanessa Garcia/Pexels)

Por fim, é importante mencionar que, além dos cursos stricto e lato sensu, é possível fazer cursos livres de curta duração para estudar assuntos específicos. Mas, além do tipo de pós-graduação, o mais importante é entender os seus objetivos de carreira, os assuntos que você deseja estudar e, claro, escolher uma instituição de qualidade. 

Quer potencializar sua carreira? Comece uma pós-graduação no Mackenzie!

Fonte: Guia do Estudante.

Este conteúdo foi útil para você?

43330cookie-checkQuais são as diferentes pós-graduações que existem?

Cadastre-se na newsletter

E receba conteúdos exclusivos