Visual, auditiva ou cinestésica? Descubra sua forma de aprender

Saiba como vai funcionar o vestibular do Mackenzie

Quando o assunto é estudo, é comum que surjam dúvidas com relação à melhor forma de organizar o conteúdo e criar um ambiente agradável. Existem métodos mais indicados do que outros? A verdade é que não há uma resposta pronta.

O ideal é compreender qual é sua forma de aprender e procurar adaptar seu programa de estudo a suas características pessoais. Isso vai garantir uma assimilação mais eficaz e tornar essa tarefa mais agradável.

Conheça as principais formas de aprendizado e confira algumas dicas para adaptar sua rotina a elas.

Visual

Materiais coloridos podem ser especialmente úteis para quem tem perfil de aprendizado visual. (Fonte: Shutterstock)

Algumas pessoas têm memória fotográfica e “gravam” os elementos mentalmente com mais facilidade quando eles são organizados de forma visual. Por isso, mapas mentais podem ser mais úteis que resumos. Se você perceber que esse é o seu caso, vale a pena passar na papelaria e levar para casa materiais coloridos, como cadernos divididos por cor, muitas canetas e post-its.

E é importante considerar uma sugestão feita a todos os estudantes: ter um lugar fixo de estudo. Na sala, no quarto ou em um cômodo que sirva a essa necessidade, esse set ajuda a lembrar o conteúdo com mais facilidade.

Ver vídeos também pode ajudar: se esse for seu perfil predominante, é provável que você tenha facilidade para se manter atento com estímulos visuais, mas é bom não ficar apenas no método passivo. Criar resumos ou mapas mentais bem coloridos pode ajudar na fixação do conhecimento.

Auditivo

Podcasts são ótimos instrumentos de aprendizado para pessoas auditivas. (Fonte: Shutterstock)

Outras pessoas têm resultados melhores quando dão mais atenção aos aspectos auditivos. Estudar com ruídos de fundo é apenas uma das formas de criar um ambiente mais atrativo. A música também pode ser uma ótima companhia, e vale a pena experimentar diferentes ritmos e características.

Outra dica interessante é o idioma: ouvir uma música cantada em uma língua que você domina pode tirar o foco do estudo, então que tal ouvir canções alemãs, russas, suecas, japonesas, árabes? Além de ajudar a criar um ambiente agradável, tende a aumentar a cultura musical. Ótimo, não é?

Outra ideia bacana é ouvir podcasts educativos enquanto faz tarefas da casa ou se exercita. Essa é uma forma interessante de unir o útil ao agradável. Você pode testar seus conhecimentos após uma sessão de escuta e fazer exercícios ou tentar resumir o conteúdo depois de ouvi-lo como forma funcional de saber o quanto você fixou do aprendizado.

Cinestésico

Criar um canal no YouTube pode ser interessante para o processo de aprendizado de pessoas cinestésicas. (Fonte: Shutterstock)

Se você faz parte dos alunos que leva bronca dos professores por não conseguir ficar parado na carteira, esse é o seu perfil. As pessoas com modo de aprendizado cinestésico gostam de se movimentar, por isso nada de focar apenas o caderno; é necessária outra tática.

A velha máxima de que a melhor forma de aprender é ensinando cabe bem a essas pessoas, então fazer grupos de estudo para trocar ideias pode ser uma boa pedida. A interação com outros estudantes pode ser importante para a fixação do conhecimento; caso isso não seja possível, uma opção é criar um canal no YouTube, assim você pode articular o conhecimento, facilitando a fixação, além de ajudar pessoas que podem ter interesse nele, sobretudo as visuais e auditivas.

Seja qual for o método de aprendizado mais indicado para você, o importante é começar com calma e ter foco no autoconhecimento. Investir tempo nesse processo é uma forma de garantir ótimos resultados e fazer dessa jornada algo agradável.

Fonte: Mundo Vestibular, Acerta Mais e Fãs da Psicanálise.

O que achou?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0