Qual é a importância das conferências ambientais?

Saiba o que estudar para o vestibular do Mackenzie!

As conferências ambientais surgiram com o objetivo de repensar os caminhos que a sociedade estava tomando. Líderes de todo o mundo buscam soluções para que o desenvolvimento econômico continue a avançar sem que os recursos naturais sejam esgotados.

Atualmente, reuniões, pesquisas e notícias em todo o mundo envolvem temas como: aquecimento global, poluição de mares e rios, desertificação, emissões de CO2, desmatamento entre outros.

Efeitos da crise climática agilizaram as discussões e os acordos das conferências ambientais. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)
Efeitos da crise climática agilizaram as discussões e os acordos das conferências ambientais. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

O surgimento das conferências

Foi com o livro de Rachel Louise Carson, chamado Primavera Silenciosa, que os primeiros debates sobre o meio ambiente começaram a alcançar a grande mídia. Alertando para o perigo dos pesticidas, da poluição, da destruição da fauna e flora, a bióloga levou a discussão dos meios acadêmicos aos governantes de todo o mundo.

Após a publicação de seu livro, Carson sofreu ataques de grandes empresas que desejavam descredibilizar seu trabalho. Apesar disso, participou de congressos e palestras levando sua mensagem.

Em 1972 a revista Time incluiu o nome de Rachel como uma das 100 pessoas mais influentes do século XX. Em 1992, seu livro foi eleito um dos mais influentes dos últimos 50 anos, nos Estados Unidos e no mundo.

Em 1972 foi realizada, pela primeira vez, uma reunião para discutir questões relacionadas ao meio ambiente. Impulsionada pelo debate iniciado pelo livro de Rachel Carson, a Conferência de Estocolmo foi o pontapé inicial de grandes encontros que viriam a acontecer.

Uma das maiores preocupações das conferências da ONU é a redução da emissão de gases como o CO2 e o Metano. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)
Uma das maiores preocupações das conferências da ONU é a redução da emissão de gases como o CO2 e o Metano. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Nessa conferência foi constituída a Declaração de Estocolmo. O documento definiu princípios comuns aos países com o objetivo de preservar o meio ambiente. São, ao todo, 26 cláusulas que abordam tópicos como: preservação da água, do ar, do solo, da fauna e da flora; produção de recursos renováveis; descarga de substâncias tóxicas; direitos humanos; desenvolvimento da ciência e tecnologia; entre outros.

Durante esse encontro, foi criado o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), a primeira agência da Organização das Nações Unidas (ONU) focada em questões ambientais.

Rio-92

Vinte anos depois da primeira conferência da ONU, ocorreu, em 1992, a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento. Esse evento contou com a presença de 108 chefes de Estados, além de agências especializadas, representantes estrangeiros e organizações intergovernamentais.

Durante o encontro foram desenvolvidos diversos documentos importantes. Entre eles, está a Agenda 21. Ela conta com 40 capítulos que direcionam o planejamento de sociedades sustentáveis, focando em métodos de proteção ambiental, justiça social e eficiência econômica.

Para verificar a implementação dos tópicos da Agenda 21, foi realizada, em 1997, uma reunião batizada de Cúpula da Terra +5. Além desse encontro, foram feitas outras duas reuniões, em 2002 e em 2012, batizadas de Rio +10 e Rio +20, respectivamente.

COP21 e COP26

Em 2015, ocorreu a 21ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (COP21). O principal objetivo desse encontro foi buscar soluções que impedissem o aumento das temperaturas médias globais.

O Acordo de Paris foi assinado por 195 países e é um marco mundial na luta contra o aquecimento global. A meta dos signatários é limitar o aumento da temperatura a 1,5 °C até o ano de 2100. Essa redução do aquecimento global visa impedir eventos extremos de secas, aumento do nível dos oceanos, ondas de calor e enchentes.

Ainda, o documento aborda a questão das emissões de CO2. Atualmente, o mundo produz cerca de 52 gigatoneladas desse gás. As metas almejam reduzir esse número para 40 gigatoneladas até 2030.

Em 2021, ocorreu a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP26), visando definir estratégias para o cumprimento das metas definidas no Acordo de Paris. Apesar dos esforços, ambientalistas do mundo todo concordaram que o documento falhou em tomar as medidas mais drásticas que eram necessárias.

Futuras conferências

O próximo ano marcará 50 anos da primeira conferência realizada em 1972. A Estocolmo +50 está agendada para 2022 e, além das comemorações, serão revisadas as metas e as atitudes tomadas pelos países signatários dos acordos que aconteceram nestes 50 anos.

Fonte: Ecológico, Revista Iberoamericana de Bioética, Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente Humano, Ministério do Meio Ambiente, Cetesb, Mundo Educação, Brasil Escola, Prepara Enem.

Este conteúdo foi útil para você?

58590cookie-checkQual é a importância das conferências ambientais?