Descomplicando o comércio exterior: um setor cheio de possibilidades

Você está familiarizado com a área de comércio exterior? Muitos não conhecem essa opção de trabalho, e os que já ouviram falar nela podem não ter informações tão claras sobre o assunto. Essa categoria, contudo, nem sempre esteve em alta.

Saiba como vai funcionar o vestibular do Mackenzie

Com a crescente globalização, as constantes evoluções tecnológicas e a concorrência se tornando cada dia mais acirrada, empresas começaram a expandir seu mercado consumidor não só no âmbito interno mas também no externo. Essa mudança de comportamento fez com que as companhias procurassem profissionais especializados em comércio exterior, gerando uma demanda muito alta. Mas, afinal, quais são as principais tarefas existentes nesse setor?

A profissão na área de comércio exterior

(Fonte: Giphy)

Um dos pré-requisitos para a função é estar sempre antenado sobre o que acontece no mundo, além de ser imprescindível ter pelo menos um segundo idioma, como inglês ou espanhol. E, nesse quesito, quanto mais idiomas você tiver no seu currículo, melhor.

Um profissional desse ramo lida diretamente com compra e venda de produtos e serviços entre empresas e governos de inúmeros países. Para isso, deve mapear e caracterizar mercados consumidores ou empresas fornecedoras, observando eventuais conflitos diplomáticos e até acontecimentos internacionais na política e na economia. Outro aspecto importante é a compreensão das tendências de consumo e suas particularidades (no tempo e no espaço) ao redor do mundo.

Importação e exportação também são assuntos muito recorrentes nessa ocupação, por isso é preciso compreender o que diz a legislação brasileira acerca dos procedimentos necessários, além dos tratados comerciais do Brasil com outros países. Conhecimentos de marketing e sobre a cultura do país-alvo são indispensáveis, assim como estratégias de negócio e logística.

Um cargo em comércio exterior exige a capacidade de identificar as necessidades dos clientes e possíveis produtores. Ademais, as negociações de frete e armazenagem de produtos importados ou exportados também ficam sob os cuidados desse setor.

Sim, a profissão é bem diversificada e exige do encarregado muito jogo de cintura. No entanto, vale lembrar: qualquer atividade se torna mais interessante com desafios.

Os possíveis empregadores

(Fonte: Giphy)

O mercado de trabalho é muito amplo, e, como esse campo não costuma receber tanta atenção (quanto o clássico trio engenharia, medicina e direito, por exemplo), a demanda permanece alta. Não somente a grande, mas também, a pequena e média empresa encontram oportunidades no mercado externo e novas empresas surgem a todo momento.

Engana-se, contudo, quem pensa que o profissional de comércio exterior só pode ser empregado ou prestar serviço para empresas, pois existe um leque muito maior de alternativas à disposição. O campo de trabalho inclui, em suma, companhias privadas de setores diversos – quer seja indústria, comércio ou prestadora de serviço – empresas de logística e transportadoras, instituições financeiras, agências governamentais de desenvolvimento econômico, operadoras de câmbio e seguro, entre outras.

Como é o local de trabalho

(Fonte: Giphy)

Um analista de comércio exterior trabalha, normalmente, no departamento de exportação/importação das empresas, nos despachantes aduaneiros ou em  operadores logísticos. Os funcionários, evidentemente, seguem um padrão nos processos; enquanto alguns ficam encarregados de cuidar da parte administrativa da exportação/importação providenciando os documentos necessários e fazendo os devidos registros no Sistema Integrado de Exportação Exterior (Siscomex), outros lidam com vendas, dão suporte a clientes ou viabilizam e fiscalizam o transporte de mercadorias. Já o gerente de comércio exterior conduz o processo de negociação com o cliente/fornecedor estrangeiro e elabora o planejamento estratégico para a atuação da empresa no mercado internacional.

As áreas de atuação

(Fonte: Giphy)
  1. Planejamento Estratégico: Exportação e Importação não são as únicas formas de a empresa fazer negócio no exterior. Existem outras estratégias de internacionalização como, por exemplo, abertura de filial no exterior, parcerias com empresas do exterior para a formação de joint-ventures, franquias etc. A área do Planejamento Estratégico seleciona as estratégias mais adequadas para a atuação da empresa no mercado internacional.
  2. Análise de mercado: diz respeito ao estudo sobre novos mercados para a introdução de determinados produtos ou serviços e inclui a avaliação de custos de transporte até o país destinatário e as taxas a serem pagas
  3. Consultoria: aplica-se, sobretudo, a empresas de médio e pequeno porte  às quais o profissional deve prestar auxílio em negociações internacionais e sondar clientes em potencial.
  4. Área Comercial: cuida da prospecção de clientes e fornecedores estrangeiros e conduz todo o processo de negociação. São os chamados traders.
  5. Gestão: trata  do acompanhamento de todas as etapas do processo de exportação e importação; desenvolvimento de metas de exportação; nesse sentido, pode envolver a análise dos setores da empresa para garantir que todos cumpram suas funções a fim de atingir os objetivos propostos.
  6. Logística: como o assunto principal é o transporte, o especialista deve estudar as alternativas e escolher o  modal de transporte mais adequado para transportar os produtos até o país de destino ou trazer os produtos do país de origem sempre levando em conta o melhor custo-benefício.
  7. Marketing: cada lugar tem uma cultura e um contexto social únicos: uma empresa brasileira que visa se inserir em outro país deve levar esses aspectos em conta, por exemplo, e é nesse momento que entra a pessoa responsável pelo marketing no comércio exterior, para adaptar as propagandas e embalagens de mercadorias à identidade do novo país; assim, não é estranho dizer que essa posição exige o estudo da cultura dos países compradores e o conhecimento sobre seus idiomas.

A dinâmica da especialização

(Fonte: Giphy)

Os especialistas desse ramo precisam ir além dos cursos de exportação já conhecidos. Sabendo que o dinamismo do mercado externo é elevado, destaca-se aquele que procura cursos para se manter atualizado quanto às constantes mudanças no cenário econômico internacional. Só assim é possível entender melhor como o sistema funciona e garantir um bom resultado na hora de colocar a mão na massa. Além desse aspecto, é importante pensar qual direcionamento dar à carreira, uma vez que, como visto acima, ela oferece um leque de opções de áreas de atuação.

Depois de tanta informação, você pode analisar se rolou uma química com o comércio exterior e, quem sabe, se tornar um profissional nessa área.

Gostou desse conteúdo? Conheça mais sobre o curso de Comércio Exterior.

O que achou?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0