4 coisas que você não sabia sobre o número zero

Saiba como vai funcionar o vestibular do Mackenzie

Acredite ou não, o número zero está entre as principais invenções do ser humano. Sem ele, o mundo seria completamente diferente e você não estaria lendo essa matéria, por exemplo. Em torno desse algarismo estão algumas das principais particularidades da matemática que reúnem a atenção de profissionais desse campo.

Curioso, não? Então conheça um pouco mais sobre o misterioso algarismo que revolucionou o mundo.

1. Ponto para os árabes e os indianos

souzacampus animation app arabic african GIF
(Fonte: Giphy)

Gregos, romanos e egípcios estão entre os povos antigos que mais merecem a atenção de historiadores. Poesia, esculturas, conquistas e instituições estão entre os elementos que mais se destacam quando se olha para essas civilizações. 

A cultura desses povos é mesmo fantástica, mas quando o assunto é o zero quem merece a atenção são os árabes e os povos que ocupavam o território que hoje corresponde à Índia. Foram eles os primeiros a registrar a existência desse número, que tinha por finalidade representar o que não existia.

Leia mais conteúdos para se dar bem no vestibular

Os antigos gregos, romanos e egípcios não dispunham de um número “zero”. Os números começavam a partir do algarismo “um”, que representava a primeira parte inteira de algo: uma maçã, um boi, uma árvore.

Os primeiros escritos que abordaram o zero foram discutidos na Antiguidade por diferentes culturas, que intercambiaram esse conhecimento à medida em que uma região era dominada por outra ou em razão de correspondências entre intelectuais.

Pelo que se sabe, o termo “zero” vem do sânscrito (que representava o vazio como shunya), posteriormente traduzido para o árabe como sifr. Depois, ele ingressou nas línguas latinas por meio do italiano, que o chama de “zero” assim como no português.

2. De Exatas ou de Humanas?

Who Am I Crying GIF
(Fonte: Giphy)

Engana-se quem acha que o zero é um problema meramente matemático. Antigamente, o conhecimento não era dividido de maneira rígida, como ocorre hoje. Os intelectuais atuavam em diversos campos de conhecimento, como na Matemática, Filosofia e Literatura.

Por isso, o zero representou por muito tempo um problema não apenas matemático, mas também filosófico, isso porque sua existência seria um paradoxo. Afinal, se o símbolo do zero foi criado para registar algo inexistente, ao ser inscrito no mundo concreto ele não passaria a existir?

3. Termômetro

cold mortal kombat GIF by PlayStation
(Fonte: Giphy)

Se você se lembra das aulas de Física, deve recordar que é justamente a zero graus que a água passa de líquida para sólida e vice-versa. Coincidência? Não. O sueco Anders Celsius, no século XVIII, criou uma escala de temperatura que determinou isso depois de analisar o comportamento da água para tratar do ponto de fusão.

Mas não é sobre isso que se trata o zero absoluto. Esse referencial é o momento em que as moléculas de uma substância expostas ao frio extremo deixam de se agitar. Para Kelvin, físico inglês do século XIX, isso ocorria a zero graus Kelvin ou a cerca de -273,15 ºC.

4. Sem divisão

don't touch my food GIF
(Fonte: Giphy)

O zero trouxe uma contribuição fundamental para a Matemática porque permitiu avançar em uma série de problemas teóricos. A primeira de suas muitas características é ser o único número que não é positivo nem negativo e sim neutro. 

Além disso, há uma série de regularidades que o zero apresenta em operações matemáticas: qualquer número multiplicado por zero é igual a zero, e elevado a zero, é igual a um. Além disso, somar ou subtrair zero de qualquer número faz com que ele permaneça o mesmo.

O problema está na hora de dividir. Quando o zero é dividido por qualquer número, permanece zero, mas não é possível dividir números por zero. Trata-se de uma indeterminação matemática.

Fonte: Revista Superinteressante, Escola Kids, Chave dos Mistérios.

O que achou?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0