A Engenharia de Materiais é um curso relativamente novo no Brasil e surgiu por conta da necessidade de profissionais para a indústria de ponta, como a petroquímica, a siderúrgica e a que demanda produtos “verdes”, menos agressivos ao meio ambiente. Sendo assim, é um mercado que está em franca expansão.

Esta é a primeira coisa que você precisa saber sobre a área: tudo no mundo é feito de algum material, então mercado de trabalho não faltará para o engenheiro de materiais.

Nesse setor, você aprende, de certa forma, a moldar o mundo de acordo com as suas necessidades. Para isso, sai na frente quem já tiver habilidades em química e física, que são áreas do conhecimento essenciais nesse segmento.

Mas o que exatamente faz um engenheiro de materiais?

Colocando a mão na massa

(Fonte: Giphy)

O engenheiro de materiais trabalha com microestruturas, manipulando e modificando-as para torná-las mais leves, biodegradáveis ou resistentes, de acordo com a necessidade. Para isso, o profissional pode usar diferentes composições químicas ou formas de processamento.

A indústria automobilística, por exemplo, quer sempre encontrar uma liga metálica mais leve para a fabricação de seus veículos, acarretando menor gasto de combustível. Mas isso não significa que os automóveis poderão ser menos resistentes a choques e batidas, então encontrar a melhor combinação é a tarefa do engenheiro de materiais.

Outro segmento em alta na atualidade é a confecção de materiais que gerem menos impactos negativos ao meio ambiente. A criação de produtos biodegradáveis e cada vez menos tóxicos é outro ramo a que o engenheiro de materiais deve estar atento.

Onde trabalhar?

(Fonte: Giphy)

O mercado da engenharia de materiais no Brasil está em expansão. As indústrias siderúrgica e petroquímica são as que mais contratam atualmente, seguidas pela indústria de transformação de polímeros (plástico, silicone, borracha).

O ramo mais dinâmico é o da construção civil, nas fábricas de cimento, vidro e cerâmica. Além disso, o Brasil é hoje o segundo maior produtor mundial de revestimentos cerâmicos, e as vendas para o exterior aquecem o setor.

O profissional da engenharia de materiais pode se especializar em três diferentes áreas:

1. Pesquisa e desenvolvimento

Trabalhando em novas combinações e aprimorando propriedades de materiais para diferentes aplicações; pesquisando novas ligas metálicas, resinas, plásticos e cerâmicas para criar produtos para o mercado;

2. Gestão

Planejando e supervisionando a transformação e a produção de novos materiais, desde a escolha da matéria-prima e da definição dos métodos de processamento até a orientação para a aplicação final do resultado;

3. Controle de qualidade

Estabelecendo padrões de qualidade e testando os novos produtos de acordo com eles.

Dinheiro na mão

(Fonte: Giphy)

Quanto ganha um engenheiro de materiais? Isso varia de acordo com alguns fatores, como a região em que se localiza a empresa, o seu porte e o nível de experiência do profissional.

No Brasil, a Lei n. 4.950/A, de 22 de abril de 1966, dispõe sobre o salário-mínimo dos profissionais de engenharia, que vai de 6 a 8,5 salários-mínimos, dependendo da jornada de trabalho.

A média salarial do engenheiro de materiais no Brasil é de R$ 8,3 mil para 43 horas de trabalho semanais. Dependendo do nível de experiência, no entanto, esse salário pode chegar a R$ 18 mil.