Quem tem uma empresa, naturalmente, tem grandes sonhos. Desde reconhecimento em novos lugares, expansão em diferentes mercados e lucros dobrados, os empreendedores sempre visualizam um futuro melhor e mais brilhante.

Mas, mesmo que deseje, um empresário não pode fazer o seu negócio crescer em um passe de mágica. O que fazer nesse caso? Uma gestão estratégica. Ela é a chave para alcançar metas e chegar ao sucesso.

O que é gestão estratégica?

(Fonte: Giphy)

Gestão estratégica é uma forma de gerenciamento que se baseia na otimização de processos diários, para que eles funcionem de acordo com os objetivos da empresa. Com ela, o gestor cria estratégias que podem ser adotadas em todos os setores para ajudar a organização a alcançar suas metas e, assim, gerar melhores resultados.

Essas estratégias levam em conta o que a empresa tem, como recursos financeiros e humanos, e o que ela pode ter, como perspectivas de oportunidades e riscos. Além disso, são guiadas pelos objetivos da empresa. A gestão estratégica pode ser aplicada em companhias de todos os portes, desde as microempresas até as multinacionais.

Como funciona na prática?

(Fonte: Giphy)‌‌

A gestão estratégica parece uma grande ideia quando vista no papel, mas como funciona na prática? Com muita análise, planejamento e acompanhamento. Em inglês, esse ciclo é chamado de PDCA (Plan, Do, Check, Act ou Planejar, Fazer, Checar, Agir). A gestão estratégica, portanto, se divide em fases que comportam cada parte desse ciclo.

Diagnóstico

(Fonte: Giphy)‌‌

Antes de criar qualquer estratégia, é preciso saber onde sua empresa está e para onde quer ir. Por isso, é preciso entender as estratégias atuais, fazendo um mapeamento tanto de aspectos internos, como os processos utilizados, os setores da empresa, o emprego da tecnologia, quanto de aspectos externos, como a situação atual do mercado. O diagnóstico permite que você descubra o que sua empresa pode fazer para chegar aonde quer estar; não adianta querer dar passos maiores do que as pernas.

Formulação

(Fonte: Giphy)‌‌

A gestão estratégica cria as estratégias, que são pensadas como planos de ação concretos, com tarefas executáveis que serão implantadas no dia a dia da empresa. Por exemplo, "melhorar o atendimento" não é uma estratégia, mas oferecer cursos para a equipe, fazer pesquisas com o consumidor, personalizar saudações em emails são estratégias para melhorar o atendimento.

Implantação

(Fonte: Giphy)‌‌

Nessa fase, as estratégias previstas são implantadas em cada setor da empresa. Às vezes, isso significa mudar boa parte dos processos de um setor, por isso a gestão estratégica também prevê um diálogo maior com a equipe e, quando necessário, treinamentos que ajudem a colocar os planos em prática.

Acompanhamento

(Fonte: Giphy)

Existem diversas ferramentas que podem ajudar no acompanhamento da implantação, como softwares que medem o desempenho de um setor. O mais importante dessa fase, no entanto, é saber que a gestão estratégica é um processo em andamento e que pode mudar sempre. O objetivo do acompanhamento é saber o que está funcionando, o que não está e o que pode mudar na gestão para melhorar os resultados. A gestão estratégica não é necessariamente um processo simples, mas ajuda a encontrar os pequenos passos que vão trazer grandes resultados. Com mudanças diárias e pontuais, sua empresa fica cada vez mais perto dos seus objetivos e cada vez mais à frente da concorrência.

Otimizando diferentes tarefas em todos os setores, a gestão estratégica ajuda a melhorar o uso dos recursos financeiros, do tempo e da equipe, aumentando a produtividade e integrando todas as áreas da empresa. Por isso, saber realizar uma prática eficiente é essencial para todo gestor.