O Enem é uma prova que avalia os estudantes concluintes do ensino médio por todo o país e facilita a entrada deles no ensino superior. Porém, a prova também carrega outras funções e, por conta disso, algumas pessoas acabam ficando confusas sobre quem pode fazê-la ou para que ela serve. Se você se identificou, fique atento, pois nesta publicação vamos esclarecer isso.

Reprodução/Giphy
(Fonte: Giphy)

O que é o Enem?

O Exame Nacional do Ensino Médio é uma prova que foi criada em 1998 para avaliar o desempenho dos estudantes de ensino médio das escolas públicas e particulares de todo o Brasil. Com o tempo, ela passou a ser ainda mais importante porque possibilitou o ingresso de milhares de estudantes no ensino superior por meio de programas educacionais. Além disso, por um determinado período a avaliação permitiu a certificação de pessoas que não haviam concluído a última etapa da formação básica.

(Fonte: Giphy)​

Quais são as funções do Exame Nacional do Ensino Médio?

Como mencionamos anteriormente, o Enem tem como principal objetivo avaliar o desempenho dos concluintes de ensino médio, pois isso possibilita diversos estudos na área da educação e o desenvolvimento de novas políticas de melhoramento. Contudo, a prova também visa beneficiar diretamente os alunos que a realizam.

Entre os principais benefícios estão o método de seleção para universidades públicas por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a concessão de bolsas integrais e parciais em universidades privadas através do Programa Universidade para Todos (Prouni), a possibilidade de financiar a faculdade por intermédio do Financiamento Estudantil (Fies) e, até mesmo, o ingresso normal em faculdades que já substituíram o vestibular pelo Enem.

Quem pode fazer a prova?

Agora que você já sabe quais são os benefícios e as funções do Enem, é hora de entender quem pode fazer a prova. Em teoria, qualquer pessoa pode participar do Exame Nacional do Ensino Médio. Mas existem casos em que é preciso apontar necessidades especiais no ato da inscrição. As informações completas você pode encontrar no edital da prova do ano, uma vez que elas podem variar; de qualquer modo, reunimos aqui alguns exemplos recorrentes:

Mulheres que estão amamentando

As mulheres lactantes podem participar do Enem, levar o bebê para o local da prova e sair da sala para amamentá-lo quantas vezes for necessário. Para isso, a mãe precisa de um acompanhante que se responsabilize pela criança enquanto ela estiver respondendo às questões da avaliação.

Mulheres gestantes

As grávidas também podem participar do Enem. Caso precisem de tratamento especial por terem um quadro de risco, devem apontá-lo no ato da inscrição.

Pessoas com deficiência

O MEC certifica todos os tipos de atendimento especializados para pessoas que apresentem qualquer necessidade especial. Por exemplo, pessoas com deficiência visual podem solicitar a prova em braile na hora da inscrição.

Pessoas em situação hospitalar

O edital do Enem prevê os “participantes em situação de classe hospitalar”, então engloba as pessoas que estão passando pelo processo formal de escolarização dentro de um hospital ou estudantes que estejam internados para fazer um tratamento de saúde. Ou seja, o exame não inclui pessoas que estejam internadas para se submeter a alguma cirurgia, parto ou tratamento esporádico.

Pessoas privadas de liberdade

Nesse caso, existe outra modalidade da prova — chamada Enem PPL —, que possui um edital próprio e ocorre em datas alternativas à versão regular.

Em todos os casos, a solicitação de atendimento especial deve ser feita no momento da inscrição para o Enem na internet. Qualquer indicação posterior será desconsiderada.

(Fonte: Giphy)

O exame pode ser feito por praticamente todos e, de forma democrática, garante o acesso à oportunidade de ingressar no ensino superior.

Confira mais dicas para se dar bem no vestibular

Gostou desse conteúdo? Entenda como vai funcionar o vestibular do Mackenzie