Notícia boa para os engenheiros de produção: a área é apontada no Brasil como uma entre as que têm maior potencial em vagas de emprego, além de ser o ramo que lidera o gerenciamento de recursos financeiros, humanos e de matéria-prima envolvidos na produção de bens e serviços em diferentes negócios. Com as mudanças pelas quais vêm passando grandes empresas e indústrias, o profissional do ramo tem sido um dos mais requisitados no setor privado, ganhando espaço até na esfera pública.

(Fonte: Giphy)

De alto valor estratégico, o engenheiro de produção unifica seus conhecimentos nas áreas de administração, engenharia e economia para buscar, projetar e implementar melhorias nos sistemas de produção de quem o contrata.

Seu principal foco de atividades é ampliar a produtividade de equipes e melhorar a gestão de recursos, o que o torna peça-chave em transformações de todos os tipos.

Devido a uma formação generalista, esses profissionais podem atuar em quase todos os setores, gerando benefícios dos mais variados. A contratação de um gestor de recursos é vista como um investimento, e, nesse caso, o salário depende de vários fatores determinados pela empresa; e a experiência influencia diretamente no valor máximo da remuneração.

(Fonte: Giphy)

O que diz a lei?

Conforme a Lei n. 4.950-A/66, que trata sobre os rendimentos de diplomados em carreiras como engenharia, química, arquitetura, agronomia e veterinária, a tabela salarial do engenheiro de produção está vinculada diretamente ao valor do salário-mínimo nacional vigente (R$ 998 em 2019) e à jornada diária desse profissional, independentemente de seu local ou setor de atuação:

  • Jornada de 6 horas diárias: 6 salários-mínimos (ou R$ 5.988);
  • Jornada de 7 horas diárias: 7,25 salários-mínimos (ou R$ 7.485);
  • Jornada de 8 horas diárias: 8,5 salários-mínimos (ou R$ 8.483).

Sendo assim, a engenharia de produção está entre as profissões mais bem remuneradas do Brasil, com salários iniciais acima dos R$ 4.000 mesmo para os recém-formados.

A média do mercado de engenharia de produção

(Fonte: Giphy)

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho (MTE) e pesquisa do site Salario.com.br no período de agosto de 2018 até março de 2019 com um total de 3.629 entrevistados, um engenheiro de produção ganha em média R$ 7.826,59 no mercado de trabalho brasileiro em uma jornada de trabalho de 42 horas semanais.

A faixa salarial fica entre R$ 5.556,88 (média do piso salarial de convenções coletivas e dissídios em 2019) e R$ 7.940,00 (mediana da amostragem), com teto de R$ 11.827,78, levando em consideração profissionais contratados em regime CLT no Brasil.

Setor industrial em São Paulo

(Fonte: Giphy)

Um levantamento do Datafolha sobres salários de engenheiros de produção da indústria na cidade de São Paulo (incluindo a região metropolitana) indicou uma média de recebimentos nos cargos que podem ser ocupados por esses profissionais:

  • Chefe de produção: R$ 7.220,30;
  • Chefe de controle de qualidade: R$ 7.599,20;
  • Supervisor de engenharia: R$ 9.639,60;
  • Coordenador de projetos de sistemas: R$ 10.037,40;
  • Gerente de controle de qualidade: R$ 12.207,10;
  • Gerente de planejamento e controle de produção: R$ 12.684,70;
  • Gerente industrial: R$ 13.376,50;
  • Gerente de projetos: R$ 14.115,40;
  • Gerente de engenharia e projetos: R$ 15.229,60;
  • Diretor industrial: R$ 27.182,60.

Já a tabela salarial da consultoria Robert Half, publicada pela revista Exame, leva em conta o tempo de experiência profissional e o tamanho da empresa que oferece a vaga. Para engenheiros com 3 a 5 anos de experiência em empresas de pequeno e médio portes, os ganhos são:

  • Gerente de produção: de R$ 7 mil a 14 mil;
  • Gerente de projetos e contratos: de R$  7 mil a R$ 13 mil;
  • Diretor de operações industriais: de R$ 20 mil a R$ 40 mil;
  • Diretor de supply chain: de R$ 21 mil a R$ 30 mil.

A mesma tabela aponta salários acima dos R$ 40.000 para profissionais de engenharia de produção com mais de 10 anos de experiência em cargos superiores e de chefia.

Outra pesquisa salarial, desta vez do site de empregos Catho, informa que um engenheiro de produção no Brasil ganha entre R$ 3.000 e R$ 9.500, com média nacional de R$ 5.571,21. Para estagiários, a média é de R$ 1.084,57; para trainees, de R$ 1.919,98.