Se há uma engenharia que envolve muito mais do que apenas extensos e sólidos conhecimentos em disciplinas de exatas é a engenharia de produção. Isso porque, além de se verem envoltos com números e cálculos complicados e terem de ser extremamente organizados, os profissionais da área devem ter várias habilidades típicas da área de ciências humanas, uma vez que integrar e gerir times faz parte do dia a dia de quem atua como engenheiro de produção, assim como interagir com equipes e pessoas externas ao processo de produção propriamente dito, o que exige um alto nível de inteligência social, capacidade de se comunicar bem e facilidade para lidar com colaboradores dos mais variados setores.

(Fonte: Giphy)

Sim, a engenharia de produção envolve um grande leque de complexidades e oferece diversas áreas de atuação — sendo as principais: engenharia organizacional, pesquisa operacional, logística, engenharia econômica, engenharia da qualidade, engenharia do produto, engenharia de operações e processos da produção, engenharia do trabalho, engenharia da sustentabilidade e educação em engenharia de produção.

Ficou interessado em saber um pouco mais sobre essas atividades? A seguir incluímos uma breve descrição a respeito de cada uma.

Engenharia organizacional

Nessa área, os profissionais se dedicam a mapear quais são as necessidades e os processos envolvidos no sistema de produção, além de determinar como a linha de fabricação deve ser organizada e implementada de forma a otimizar a produção e garantir que as diversas áreas envolvidas no processo trabalhem de maneira integrada. Assim, o papel do engenheiro é cuidar da gestão de projetos, fazer o planejamento operacional e estratégico, analisar o desempenho dos times envolvidos e focar a minimização de custos através do controle e da gestão de todas as etapas do processo de fabricação.

Pesquisa operacional

Como o próprio nome sugere, essa área de atuação envolve a investigação e a solução de problemas e gargalos presentes nos sistemas de produção para que eles se tornem mais eficientes e menos onerosos. Para isso, os profissionais que atuam com pesquisa operacional fazem uso de modelos matemáticos e técnicas estatísticas para propor e implementar novos planos e processos produtivos.

(Fonte: Giphy)

Logística

Nessa área, os engenheiros de produção se encarregam de cuidar de todos os detalhes relacionados com transporte, distribuição, estoque de suprimentos e armazenamento dos bens produzidos, entre outras atividades. O propósito dos profissionais de logística é garantir a disponibilidade tanto dos materiais e das ferramentas necessárias para a fabricação de bens como dos produtos finais, sempre com o objetivo de reduzir custos e satisfazer o nível de qualidade exigida pelos consumidores ou clientes.

Engenharia econômica

Os profissionais que atuam na engenharia econômica se encarregam de fazer a análise e a gestão de custos, investimentos necessários e riscos envolvidos no processo de produção, uma vez que esse exame indica quais são os processos necessários para a fabricação de determinado produto. Eles também se dedicam a realizar a avaliação de resultados para determinar a eficácia do sistema produtivo, assim como sua viabilidade financeira.

(Fonte: Giphy)

Engenharia da qualidade

Essa área se concentra na gestão da qualidade dos produtos e serviços oferecidos e tem como propósito garantir a satisfação dos clientes ou consumidores com relação aos bens produzidos — e que as expectativas sejam atendidas. Portanto, os profissionais que atuam com engenharia da qualidade avaliam, planejam e desenham as melhores ferramentas e estratégias de controle de qualidade e buscam programas de certificação, normalização e auditorias que atestem que a companhia responsável pela fabricação do produto atende às regulamentações exigidas por lei.

Engenharia do produto

Os profissionais que atuam nesse setor se preocupam com todos os mecanismos necessários para o desenvolvimento de novos produtos e, quando é o caso, em adequar a linha de produção atual às novas demandas, garantindo a eficácia e a otimização de todo o processo produtivo.

(Fonte: Giphy)

Engenharia de operações e processos da produção

Os engenheiros que atuam com operações e processos da produção se preocupam em desenvolver projetos, definir operações e propor melhorias nos sistemas de produção de modo que os recursos necessários para a fabricação de bens sempre estejam disponíveis e assim a linha de produção se mantenha sempre ativa, além de garantir que o tempo de manufatura, o custo e a qualidade dos produtos atendam às necessidades dos clientes.

Engenharia do trabalho

O processo de produção precisa ser o mais eficaz e otimizado possível para que prazos e demandas sejam atendidos e resultados financeiros sejam alcançados. Mas é necessário que a integridade física dos colaboradores e das equipes envolvidas na produção seja mantida — e é aí que entram em cena os engenheiros de produção que atuam na área da engenharia do trabalho. Esses profissionais garantem que os colaboradores tenham as habilidades e os conhecimentos necessários para garantir a produtividade, ao mesmo tempo em que desempenham suas atividades em condições adequadas e que não coloquem sua saúde e segurança em risco.

(Fonte: Giphy)

Engenharia da sustentabilidade

Essa área envolve a implementação de sistemas de gestão ambiental e tem como propósito definir quais recursos serão empregados no processo de produção, controlar seu uso e planejar como será feito o tratamento e o descarte de resíduos e efluentes. O foco está, como o próprio nome sugere, na sustentabilidade, assim como na responsabilidade social.

Educação em engenharia de produção

Assim como acontece em outras carreiras, o engenheiro de produção pode se dedicar à vida acadêmica atuando como docente. E o mais interessante é que, como essa engenharia é super abrangente, o profissional pode atuar na formação de profissionais de várias áreas, dentro da própria engenharia ou não. Além disso, é comum que o engenheiro de produção ministre cursos e treinamentos em empresas, assim como realize apresentações técnicas e de novas tecnologias dentro das companhias nas quais atua.