O mundo digital está causando uma série de transformações não apenas na forma de realizar as tarefas do dia a dia mas também nos pensamentos e nas percepções. Conforme novas tecnologias vão sendo desenvolvidas, novas discussões vão surgindo, principalmente com relação aos aspectos éticos e morais. Essas discussões se referem, principalmente, às noções de ética digital, mais precisamente sobre o que é esse termo e qual deve ser a sua atuação na sociedade e no espaço virtual.

O que é ética digital?

(Fonte: Giphy)

Ética é um conjunto de princípios morais que guiam os indivíduos ou um grupo da sociedade. Em se tratando do mundo digital, é ética é o que atua para manter dignidade, segurança, privacidade e outros valores no ambiente virtual, seguindo tanto os valores morais quanto as legislações a respeito do assunto. Ou seja, a ética digital está presente na atuação das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na sociedade atual.

A ética no Código brasileiro

No Brasil, existem normas e regulamentações pensadas para manter alguns princípios de ética digital. São inúmeras as leis que visam proteger a dignidade humana, inclusive virtualmente, e um belo exemplo é o Marco Civil da Internet (Lei n. 12.965/2014), que garante o sigilo de dados pessoais, a privacidade de mensagens, as responsabilidades sobre o conteúdo e a neutralidade da rede.

E é importante ressaltar que todas essas regras têm origem em fundamentos éticos.

Por que é importante ter regras para o uso da internet

(Fonte: Giphy)

Segundo o sociólogo Zygmunt Bauman, a tecnologia fez com que as pessoas deixassem de ter consciência dos efeitos de suas ações, que agora podem tomar um rumo globalizado. Isso trouxe uma série de novos desafios e questões ético-sociais.

Podemos citar como exemplo a privacidade. Sem leis, as empresas poderiam acessar, compartilhar e vender todos os tipos de dados, desde preferências de compra até informações e arquivos pessoais. Outro perigos são os crimes digitais: ofensas, bullying e ameaças em geral, crime de falsa identidade, estelionato, violação de sistemas de segurança, divulgação de fotos e dados, violação de propriedade intelectual, entre outros.

Esse assunto vai além. Tecnologias como Big Data, machine learning e inteligência artificial trazem uma discussão ainda mais calorosa sobre os limites que essa ética deve impor sem impedir o avanço tecnológico.

A ética no mundo digital

(Fonte: Giphy)

Incluir a ética no mundo digital, como podemos perceber, é uma prática muito importante para que seja possível utilizar a internet com segurança e responsabilidade, porém a prática não é tão simples quanto parece. Os novos softwares inteligentes, algoritmos e outras tecnologias estão revolucionando o mercado e tornando cada vez mais difícil desenhar as "linhas" que separam o mundo digital do físico. Por esse motivo, é muito importante a discussão sobre até onde a tecnologia pode ir.

Os benefícios trazidos com a eficiência da comunicação, a redução de custos para funções e transações do dia a dia, o envio de informações personalizadas e a acessibilidade são diversos e devem continuar crescendo. Mas, para que isso aconteça, também existem alguns efeitos negativos, como manipulação de mercados, volatilidade, seleção de informações, desfavorecimento de pequenas empresas, entre outros.

A ética no ambiente digital (por mais que tenhamos regulamentações) não é exigida por lei; ou seja, depende de como cada empresa ou indivíduo atua nesse meio. No momento, é preciso que cada pessoa tenha consciência de seus atos e do relacionamento que está criando com as empresas com as quais interage. Conhecer mais sobre como essas organizações percebem e agem em relação à moral, atentar-se para o que compartilha online e principalmente estudar e discutir o assunto são atitudes de extrema importância.


Ainda não sabe qual profissão seguir? Acesse nosso guia de profissões 360!