Contador: quanto cobrar por uma declaração de imposto de renda?

Quer potencializar sua carreira? Comece uma pós-graduação no Mackenzie!

Existem muitos setores da economia com movimentação sazonal, mas em poucos isso é tão forte quanto na contabilidade: os escritórios ficam abarrotados de pedidos entre março e abril, época em que o leão do imposto de renda (IRPF) aparece para cobrar as declarações. Por isso, esse pode ser um ótimo período para os contadores e contadoras fecharem muitos negócios, certo? 

Com certeza! Mas, para ter ganhos reais, você precisa saber quanto cobrar para fazer uma declaração de imposto de renda, caso contrário corre o risco de terminar esse período apenas com cansaço e sem o retorno financeiro merecido pelo seu trabalho. Existem algumas contas que você pode fazer antes de fixar um preço para seu cliente. 

A época do leão do imposto de renda costuma ser bastante movimentada para os contadores (Fonte: Unsplash)
A época do leão do imposto de renda costuma ser bastante movimentada para os contadores. (Fonte: Unsplash)

Quanto trabalho dá fazer uma declaração? 

Uma declaração de IRPF não é apenas um formulário que qualquer um pode preencher em pouco tempo. Se fosse esse o caso, as pessoas não procurariam um profissional de contabilidade para ajudá-las com isso.

Enviar uma declaração correta demanda conhecimento sobre as leis e exigências da Receita Federal. Além disso, organizar todas as informações e verificá-las é algo que toma tempo — e seu tempo vale dinheiro. Entre outras tarefas, você precisa:

Essa reflexão é importante para que você entenda que seu trabalho merece um preço justo. Ela também serve para saber como responder àqueles clientes que acham tudo caro, já que “é só preencher um formulário”. Sendo assim, o primeiro passo para decidir quanto você deve cobrar por uma declaração de imposto de renda é avaliar a carga de trabalho.

Entre tantas tarefas, é necessário organizar documentos e conferir se a declaração está coerente, para evitar problemas (Fonte: Pexels)
Entre diversas tarefas, é necessário organizar documentos e conferir se a declaração está coerente, para evitar problemas. (Fonte: Pexels)

Quanto vale a sua hora ou o seu dia de trabalho?

Assim que você sabe quanto trabalho é necessário para uma declaração de IRPF, mais insumos há para calcular o preço do seu serviço. Uma técnica prática é multiplicar o valor da sua hora pelo número de horas necessárias para finalizar cada envio. Não se esqueça de incluir o tempo de atendimento e de acompanhamento nas contas. 

Se você não sabe quanto vale cada hora do seu trabalho, também existem formas de apurar isso. A mais simples é estimar quanto deseja ganhar no mês ou ao fim do período de declarações e dividir pelo número de dias e horas que você pode trabalhar. Assim é possível chegar ao valor/hora e fazer a conta descrita no parágrafo anterior.

Você também pode calcular suas despesas para fazer cada declaração — luz, internet etc.— e somar o lucro que espera obter pelo serviço. Além disso, é sempre interessante pesquisar a concorrência, para entender se o seu valor está adequado para a região ou o tipo de cliente que você pretende atender. 

Quanto você deseja ganhar? Que despesas você tem? Leve tudo isso em conta para precificar seu serviço! (Fonte: Pexels)
Quanto você deseja ganhar? Quais são suas despesas? Leve tudo isso em conta para precificar seu serviço. (Fonte: Pexels)

Vale a pena atender tantos clientes por um valor baixo?

Talvez seja possível encontrar alguns escritórios praticando preços muito abaixo do que você está pensando em cobrar — e clientes comparando. Contudo, se os cálculos foram feitos de modo que o valor definido é justo pelo seu trabalho, não caia na tentação de abaixar seu preço para não perder clientes. Você pode acabar trabalhando o dobro para ganhar o mesmo. 

Também é interessante avaliar se o seu serviço tem diferenciais. No fim das contas, quanto cobrar por uma declaração de imposto de renda é algo que depende de cada contexto — mas as dicas que demos aqui oferecem um bom caminho para você começar seus cálculos. 

Fontes: Contábeis.com e Portal do MEI.