Como prevenir a síndrome de burnout no fim do ano

Ao mesmo tempo que há empolgação para o fim do ano, com ele também vem o cansaço acumulado de todos os meses que se passaram. O esgotamento físico e emocional fica ainda mais evidente nessa época porque as pessoas buscam concluir tudo o que deveria ter sido feito durante o ano, assim o trabalho e a pressão aumentam significativamente.

Some isso aos anos atípicos que foram 2020 e 2021 e você tem como resultado a piora dessa tensão, o que leva a uma grande preocupação: a síndrome de burnout.

Síndrome de burnout: um perigo silencioso

Conhecida como a doença do esgotamento profissional, a síndrome de burnout é um distúrbio psíquico ocasionado pela exaustão extrema gerada no ambiente profissional, por conta dos estudos ou ainda por questões pessoais. 

As principais características dessa doença psicológica são a tensão emocional e estresse crônicos, estimulados pelo esforço psicológico e emocional desgastante. Essa doença se dá principalmente em profissionais com profissão que exige envolvimento interpessoal.

Trabalhadores da área de educação, saúde, recursos humanos, bombeiros, agentes penitenciários e mulheres com dupla jornada, por exemplo, são os que mais correm risco de desenvolver essa síndrome. Os estudantes também entram nessa lista.

A pandemia tem sido um fator agravante para o surgimento de doenças psicológicas, como a síndrome de burnout.
A pandemia é um fator agravante para o surgimento de doenças psicológicas, como a síndrome de burnout. (Fonte: Andrea Piacquadio/Pexels)

Sintomas físicos e psicológicos

Se não diagnosticado corretamente, esse transtorno pode levar o profissional ou estudante a desencadear uma série de problemas de saúde como doenças cardíacas, pressão alta, enfraquecimento do sistema imunológico, distúrbios gastrointestinais, dores musculares e até levar à dependência de bebidas alcoólicas e entorpecentes.

Além de doenças físicas, o esgotamento profissional pode refletir em ações negativas associadas a problemas psicológicos: depressão, ansiedade, ausência no trabalho, agressividade, isolamento, mudanças demasiadas no humor, irritabilidade, falta de concentração, lapsos de memória, pessimismo e baixa autoestima.

A quem recorrer quando identificada a síndrome?

Quando já diagnosticado por um profissional, geralmente médico do trabalho, clínico geral, psicólogo ou psiquiatra, o trabalhador deve recorrer ao uso de medicamentos que tratem seus sintomas. Além disso, ele precisa realizar sessão de psicoterapia.

São vários os sintomas e eles podem ser confundidos com cansaço e depressão.
São vários os sintomas e eles podem ser confundidos com cansaço e depressão. (Fonte: Energepic/Pexels)

De que maneira as empresas podem evitar o burnout?

Como a síndrome está diretamente relacionada a fatores organizacionais, empresas e responsáveis pelas equipes devem implementar ações que diminuam as chances dessa doença psicológica acometer seus colaboradores. Começando com a forma como o trabalho é estruturado e cobrado.

Longas jornadas de trabalho, competitividade, pressão e insegurança são bastante prejudiciais para a saúde psíquica dos trabalhadores. Logo, é essencial rever a necessidade de horas extras, metas ousadas e possível existência de uma gestão totalitária.

Além de avaliar esses elementos que podem facilitar no surgimento do burnout, a instituição também pode aderir a um plano de saúde que cubra atendimento psicológico e implementar ações que melhorem o ambiente de trabalho.

O setor de recursos humanos também pode se aliar a essa ação e se responsabilizar com os integrantes do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT) e Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) em monitorar os colaboradores. Aqueles com comportamentos alterados podem ser encaminhados para as especialidades que trabalham com esses casos.

O que o profissional pode fazer?

A síndrome se dá principalmente quando o profissional não delimita tempo para o trabalho, é aquele indivíduo que ignora a necessidade de lazer e descanso, portanto sempre está trabalhando. 

Mesmo que goste do trabalho e tenha satisfação em fazê-lo, é essencial que ao longo da semana dedique um tempo para descanso, para que ele se desligue totalmente das tarefas da empresa.

Outra característica comum e que dá espaço para a doença, é a ideia de que para ser um excelente profissional, precisa ser produtivo o tempo todo, que tudo deve sair perfeito e todas as esferas da vida devem estar alinhadas com o que planejou. 

Na prática não funciona assim, é comum que ao longo da vida a pessoa se dedique e priorize algumas áreas em momentos específicos.

De modo a prevenir esse problema psicológico, o Ministério da Saúde evidencia algumas práticas que o profissional pode realizar:

Quer potencializar sua carreira? Comece uma pós-graduação no Mackenzie!

Fonte: Hospital Santa Monica, Drauzio Varella, Tribuna, Rede Dor São Luiz.

Este conteúdo foi útil para você?

57850cookie-checkComo prevenir a síndrome de burnout no fim do ano