Digno de frases célebres como “Nenhuma grande descoberta foi feita sem um palpite ousado”, Isaac Newton certamente é um nome que você já ouviu em alguma das suas aulas de Física. Ele nos deixou uma série de ensinamentos, mas certamente as suas três leis são as mais famosas – e as que marcam presença nas provas.

Por meio de exemplos práticos de suas aplicações, entenda de vez como as Três Leis de Newton funcionam.

(Fonte: Tenor)

Mas afinal, quais são as Três Leis de Newton?

  1. Princípio da Inércia ou Primeira Lei de Newton;
  2. A Força ou Segunda Lei de Newton;
  3. Princípio da Ação e Reação ou Terceira Lei de Newton.

Jogo rápido? Então vamos a elas!

Princípio da Inércia ou Primeira Lei de Newton

(Fonte: Tenor)

A Primeira Lei de Newton se refere à inércia – que nada mais é do que a capacidade que uma substância tem de não reagir em contato com outra. Na prática, isso significa que, se houver um ponto em repouso, ele permanecerá em repouso. Da mesma forma, se existir movimento, ele deverá mantê-lo constante e uniformemente.

A principal constante característica do corpo que mede a inércia é a massa – quanto maior ela for, mais forte é a tendência de permanecer no estado de origem, ou seja, em movimento retilíneo e uniforme.

Para fixar o conteúdo, eis o resumo de Newton: "Todo corpo permanece em seu estado de repouso, ou de movimento uniforme em linha reta, a menos que seja obrigado a mudar seu estado por forças impressas nele".

A Força ou a Segunda Lei de Newton

(Fonte: Tenor)

​A Segunda Lei de Newton, nas próprias palavras do físico, é definida da seguinte maneira: “A mudança do movimento é proporcional à força matriz impressa e se faz segundo a linha reta pela qual se imprime essa força”. Ou seja, a Segunda Lei de Newton trata simplesmente da força, que nada mais é do que a influência que altera o estado de origem do corpo, esteja ele em repouso ou em movimento.

Isso significa que, quando várias forças agem sobre um corpo, elas se somam vetorialmente para gerar uma força resultante, ou total. Por causa desse princípio, a medida internacional de forças é o “newton (N)” – que, segundo o Sistema Internacional de Unidades, representa a fórmula básica de um objeto de 1.000 g de massa com a aceleração de 1 m/s².

Um exemplo prático é a força aplicada pelo motor ou freio do carro para que ele saia ou volte ao ponto original (repouso ou movimento).

Princípio da Ação e Reação ou Terceira Lei de Newton

(Fonte: Tenor)

A última, e não menos importante, das Três Leis de Newton, fala de ação e reação. Em física, isso significa que, quando dois corpos de massas diferentes interagem em forças mútuas, ao contrário da inércia, não haverá equilíbrio.

Isso ocorre porque toda vez que o primeiro corpo exerce força sobre o segundo (e vice-versa), elas tendem a ser aplicadas:

  • Com a mesma intensidade;
  • Com a mesma natureza;
  • Na mesma direção;
  • Mas têm sentidos opostos.
"A uma ação sempre se opõe uma reação igual; ou seja, as ações de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e se dirigem a partes contrárias.” (Newton)

Agora, com o conceito das Três Leis de Newton mais claro, é hora de sair da inércia e resolver alguns exercícios, como os deste link. Bons estudos!