Ter controle sobre suas finanças pessoais é a melhor maneira de não se desesperar com contas e realizar seus sonhos. Isso é ainda mais importante para jovens profissionais, que estão começando as carreiras e recebendo os primeiros salários: quanto mais cedo você aprender a controlar sua vida financeira, mais tranquilo será o futuro.

Pensando nisso, reunimos as melhores dicas dos especialistas no post de hoje. Elas vêm do parceiro do Bank of America, Better Money Habits, e do site especializado em negócios e vida financeira Business Insider.

Confira abaixo e comece a se organizar hoje mesmo!

Saiba quanto você recebe

(Fonte: Giphy)

Essa pode não parecer a melhor dica de finanças pessoais. Afinal, como alguém não sabe quanto recebe? Mas a verdade é que muitas pessoas têm apenas uma ideia do próprio salário, especialmente aquelas que têm ganhos irregulares, como trabalhadores autônomos.

Se você tiver registro em uma empresa, confira sempre sua conta quando entrar o pagamento. Caso você tenha mais de uma fonte de renda, anote por pelo menos 3 meses tudo o que você receber. Assim, será possível ter uma média de quanto você ganha.

Anote suas despesas

(Fonte: Pixabay)

Quando se trata de finanças pessoais, esse é o conselho mais comum. Isso porque ele faz todo o sentido e tem efeitos imediatos: quando você anota tudo o que gasta, fica mais consciente do que está gastando, seja com a conta de luz ou com saídas nos fins de semana.

Confira sua fatura do cartão de crédito, sua conta-corrente e não deixe de pensar no que foi pago com dinheiro. Você pode anotar em um caderno, mas hoje existem também aplicativos para ajudá-lo.

Descubra onde você pode economizar

(Fonte: Pixabay)

Normalmente, ao anotar suas despesas, você vai descobrir algumas contas desnecessárias. Está pagando a academia, mas nunca vai? Cancele o plano. Está gastando muito com o almoço? Comece a levar sua comida para o trabalho. São pequenas mudanças que podem fazer muita diferença no seu orçamento.

Tenha objetivos

(Fonte: Giphy)

Guardar dinheiro apenas por guardar quase nunca dá certo. Isso porque o dinheiro guardado parece desperdício: por que você o deixaria parado na conta quando pode utilizá-lo para ter uma vida mais divertida ou confortável?

Comece a pensar no que você quer fazer no futuro, seja no ano que vem ou daqui a 10, 20 anos. Você quer passar as próximas férias no exterior? Comprar um carro? Dar entrada em um imóvel? Mudar de cidade? Ter um bom dinheiro para a aposentadoria? Defina seus objetivos e comece a guardar dinheiro pensando neles.

Crie um fundo de emergência

(Fonte: Pixabay)

Fundos de emergência são exatamente o que parecem: uma quantia que você deve ter guardada para quando uma emergência surgir. Pode ser desde um problema de saúde até uma demissão repentina – ou seja, tudo que possa desequilibrar suas finanças pessoais.

O fundo de emergência pode começar pequeno, com o valor que você precisa para viver durante 1 mês. Aqui, entra apenas o básico, como o aluguel, a conta de luz e outras despesas que você não pode deixar de pagar. Depois, aumente esse valor para 3 meses, 6 meses etc.

Automatize

(Fonte: Giphy)

Uma das grandes vantagens de vivermos na era da internet é que muitas tarefas podem ser automatizadas, inclusive suas contas. Automatize o pagamento das despesas mensais que sempre caem no mesmo dia e evite multas por se esquecer do vencimento.

Automatizar as economias também é uma boa ideia. Assim, você não precisa se lembrar de entrar no site do banco para guardar o dinheiro na poupança.

Programe-se

(Fonte: Giphy)

Uma última dica importante de finanças pessoais: programe-se para as contas que estão por vir. No fim do ano, você já sabe que vai precisar de dinheiro para o Natal. No começo do ano, sabe que vai precisar para a volta às aulas. Programe-se com antecedência e evite apertos!

Quais são suas dicas de finanças pessoais? Compartilhe com a gente.