O incentivo da cultura em determinada comunidade é uma das ferramentas que gera grande impacto social. Música, artes plásticas, dança, literatura e teatro são algumas das diversas formas de expressão que geram sensação de pertencimento, educam e podem ajudar crianças, adolescentes e adultos a se desenvolverem e terem mais oportunidades na sociedade.

Conheça iniciativas públicas e privadas que ajudaram a ampliar o acesso à cultura onde foram implantadas.

Cultura Viva

O programa Cultura Viva foi criado em 2004 pelo Ministério da Cultura (MinC) com o objetivo de dar mais visibilidade às entidades culturais de grupos menos favorecidos social e economicamente ou em situação de vulnerabilidade. Por meio dos chamados Pontos de Cultura, indígenas, quilombolas, moradores rurais, estudantes e professores do ensino público podem manifestar suas culturas.

Pontos de Cultura

​(Fonte: Prefeitura de Itaqui/RS)

Idealizado inicialmente na década de 1980 pelo antropólogo Antônio Augusto Arantes, o projeto do MinC busca criar pontos de contato com grupos culturais, auxiliando-os a usar os recursos disponibilizados pelo próprio ministério para desenvolver sua programação. Dependendo das necessidades, podem ser dispostos equipamentos, oficinas, infraestrutura e outras atividades.

Há também os Pontinhos, que são focados em crianças e adolescentes; já o Pontão de Cultura tem a função de articular os pontos de cultura por região ou temas semelhantes de interesse. O Pontão de Cultura do Jongo/Caxambu reúne 15 comunidades jongueiras da Região Sudeste e é organizado pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

A responsabilidade de repassar os financiamentos aos responsáveis por cada projeto é dos municípios. Já as questões técnicas, a divulgação dos projetos e as dúvidas dos proponentes ficam sob a responsabilidade dos gestores culturais.

Como a prioridade do Cultura Viva são grupos menos favorecidos, ficam em foco as entidades ou os coletivos culturais que tenham dificuldades sociais e econômicas. Para participar é preciso desenvolver atividades e iniciativas culturais de maneira contínua em algum território ou comunidade.

Cultura do Trabalhador

​(Fonte: Ministério da Cultura)

Esse programa do MinC foi criado em 2012 como uma maneira de garantir o acesso à cultura pelos trabalhadores. Por meio dele foi estabelecido o Vale Cultura, que oferece um cartão magnético pré-pago com R$ 50 mensais a todos os brasileiros que recebam cinco salários-mínimos ou menos.

Com o cartão, o colaborador pode pagar serviços e produtos culturais, como ingressos para cinema, teatro, museu e outros eventos, além de poder utilizá-lo em livrarias. Se o valor não for gasto, acumula e continua valendo nos próximos meses.

Apesar de ser um benefício trabalhista, não é uma obrigação das empresas, que decidem se querem participar do Vale Cultura ou não. As companhias que querem disponibilizar o benefício aos funcionários precisam se credenciar no site do MinC — o valor não é contabilizado para FGTS, previdência ou imposto de pessoas físicas.

Edital Ideias para um Mundo Melhor

​(Fonte: Nossa Causa)

O edital da Coca-Cola Femsa Brasil selecionou dez projetos das regiões Sul e Sudeste focados em sustentabilidade em 2018. São realizadas atividades para o desenvolvimento educativo, cultural e esportivo das comunidades das quais fazem parte, além de iniciativas para o ambiente.

Confira as organizações receberão investimento de R$ 300 mil:

  • Projeto Lugar de Artes e Histórias, Associação Amor de Mãe — Marília (SP)
  • Projeto Piscina Acessível, Amei (Associação Marilense de Esportes Inclusivos) — Marília (SP)
  • Projeto Mídia Cidadã, Associação de Acolhimento Bom Pastor — Jundiaí (SP)
  • Projeto Biocircos, projeto Lona das Artes — Sumaré (SP)
  • Projeto Casa do Adolescente 20 anos, Associação O Adolescer para a Vida — Itabiritico (MG)
  • Projeto Basquete Oportunidade e Qualidade de Vida, Associação de Apoio Comunitário do Bairro da Praia — Itabiritico (MG)
  • Projeto Protagonismo em Movimento, Lar Escola da Criança — Maringá (PR)
  • Projeto Virando o Jogo, Promec (Proteção ao Menor Carente de Sarandi) — Maringá (PR)
  • Projeto Curso de Corte Costura e Modelagem Sustentável, Fundação O Pão dos Pobres de Santo Antônio — Porto Alegre (RS)
  • Projeto Jiu-Jitsu na Bom Jesus, Centro Cultural Marli Medeiros — Porto Alegre (RS)

Programa Impulso 2018

​(Fonte: Na Lata)

O projeto, desenvolvido pela Oi Futuro e pela Ekloos, foi lançado no ano passado com a expectativa de incentivar a fomentação e o fortalecimento das iniciativas culturais para que ampliem seu impacto social. As organizações selecionadas podem participar do programa de aceleração no Labora, um laboratório de inovação social.

Os grupos têm mentorias e capacitações do Instituto Ekloos durante 10 meses e ao fim podem receber investimento de R$ 100 mil a ser dividido entre eles. "Percebemos que algumas organizações não precisam do investimento, mas do apoio da aceleração. Por isso, vamos escolher algumas para receberem o aporte", explicou Flávia Vianna, coordenadora de Inovação Social do Oi Futuro, parceiro do Ekloos no programa, durante o lançamento do edital.


Quer potencializar sua carreira? Comece uma pós-graduação no Mackenzie!