Em meio à leitura dos diversos conteúdos que são cobrados no vestibular, pode acontecer de você se deparar com nomes de filósofos que marcaram o período em que viveram e contribuíram com grandes transformações ao longo da História. Conheça alguns deles.

Platão (427–347 a.C.)

(Fonte: Gfycat)

Nascido em Atenas, Platão foi discípulo de Sócrates, dedicou-se a escrever sobre os pensamentos de seu mestre e contribuiu com a difusão de suas ideias. É um dos filósofos de maior destaque no mundo ocidental. Tendo como ponto de partida o senso comum, o filósofo explorava diversos temas, como a ciência, a moral e a política. Tanto a crítica quanto a busca pela razão das coisas marcaram seus trabalhos. Por meio da argumentação racional, a dialética platônica possuía o objetivo de alcançar a verdade. Dentre os seus trabalhos, destacam-se: Fedro, O Banquete e A República. Vale muito a leitura!

René Descartes (1596–1650)

(Fonte: Gfycat)

É um dos grandes nomes entre os filósofos modernos. Tendo influenciado diversos pensadores, o expoente do racionalismo foi um homem da ciência e viveu em um período marcado por grandes transformações na Europa. Em busca de desenvolver suas ideias, passou alguns anos isolado de qualquer contato com a sociedade. Nas suas obras é possível encontrar alguns elementos biográficos; dentre elas destacam-se O Discurso do Método e Princípios da Filosofia.

Thomas Hobbes (1588–1679)

(Fonte: Gfycat)

Nascido na Inglaterra, é um dos filósofos que melhor representam o liberalismo clássico. Hobbes buscou analisar e explicar a forma como as pessoas viviam e acreditava que elas eram naturalmente individualistas. Considerava também que a busca por poder exercia um forte efeito nas relações humanas, tornando conhecida a frase "o homem é o lobo do homem". Portanto, sua visão acerca da natureza humana é considerada pessimista. Dentre suas obras destacam-se Elementos do Direito Natural e Leviatã.

Arthur Schopenhauer (1788–1860)

(Fonte: Gfycat)

O filósofo alemão foi um crítico do racionalismo iluminista e não é possível enquadrar sua obra em uma única corrente. Além disso, foi professor universitário e crítico de Hegel, filósofo que era bastante aclamado no período. Dentre os seus trabalhos, destaca-se O mundo como vontade e representação. Seu pessimismo se faz presente em alguns textos, revelando o isolamento que o pensador vivenciou. O escritor brasileiro Machado de Assis reconhece a influência de Schopenhauer em sua famosa obra Memórias Póstumas de Brás Cubas.

Friedrich Nietzsche (1844–1900)

(Fonte: Gfycat)

Pertencente à corrente do racionalismo crítico, também alemão, foi influenciado por Schopenhauer. O rompimento com as correntes filosóficas dá grande destaque ao seu trabalho. Formado em Filologia, foi professor universitário na Suíça por alguns anos, até que sofreu uma crise e passou a viver de forma reclusa. Dentre suas obras, destacam-se Humano, demasiado humano, e O crepúsculo dos ídolos. Sua escrita é bastante marcante: em alguns momentos é caracterizada pela ironia e aborda temas muito atuais, como a moral, a cultura e a dicotomia entre o bem e o mal.

Na obra do famoso pintor renascentista Rafael, Escola de Atenas, os filósofos Platão e Sócrates aparecem no centro. (Fonte: Wikimedia/Reprodução)

Filosofia no vestibular

(Fonte: Giphy)

No vestibular, a leitura das obras dos grandes filósofos oferece mais do que o conhecimento necessário para acertar questões conceituais; há também a possibilidade de fazer uso das ideias no momento da elaboração de redações e desenvolver abordagens inovadoras nos seus textos.

Prestigiar a obra dos filósofos não significa, portanto, absorver todos os seus preceitos, mas sim exercitar continuamente a capacidade de dialogar e de refletir acerca do que é lido, o que certamente fará diferença no vestibular e até mesmo na vida universitária.