Você já deve ter lido artigos sobre frear os aparatos tecnológicos nas mãos dos alunos durante a aula, mas a tecnologia não precisa ser inimiga. Pelo contrário, seu uso em sala de aula tem modificado o modo como os jovens e as crianças aprendem todos os dias.

Os millennials, nascidos depois do ano 2000, não viveram a grande revolução tecnológica que aconteceu anos antes; os alunos de hoje já nasceram digitais e conectados, e por isso demandam abordagens inovadoras quando o assunto é comunicação e ensino. O que funcionou com a geração anterior naturalmente não funcionará, do mesmo modo, com a "geração digital".

Cabe aos educadores e gestores escolares acompanhar esses avanços e tentar não vê-los como adversários. Conhecendo as principais ferramentas e investindo cada vez mais em métodos que tragam a tecnologia para a aula, é possível até mesmo atrair os alunos para aprender.

Como conquistar os alunos com tecnologia

Quem presta atenção aprende melhor, isso é fato. Se usarmos a tecnologia para possibilitar que todos aprendam mais e melhor, conseguiremos atingir o nosso objetivo, que é elevar performance. Para isso, é preciso prender a atenção do aluno que não consegue se manter concentrado por muito tempo em uma aula expositiva, já que o professor compete com celular, tablet, WhatsApp, jogos, mensagens dos amigos e dos pais: um universo que nunca para.

Curiosamente, essa mesma tecnologia surge como aliada. O primeiro passo é planejar todo o processo de implementação e, a partir disso, criar a cultura de que a tecnologia é o meio, e não o fim. No início, o educador pode achar complicado montar uma "aula digital", mas, com o passar do tempo, o material ajuda a economizar tempo e auxilia os registros — uma vez organizada a aula, o conteúdo pode ser atualizado e reaproveitado.

Há casos que, por meio de plataformas de gestão escolar, a família pode acompanhar o desenvolvimento do aluno, além da frequência nas aulas (faltas e presenças), com abordagem de notas, produção diária e participação. Em conselhos de classe, os registros tornam mais fácil para o professor justificar o rendimento de um aluno ou de uma turma inteira, por exemplo.

E por que os alunos prestariam mais atenção? É simples. Estamos em um cenário em que o mercado de trabalho exige cada vez mais novas competências e habilidades, além do domínio básico de recursos tecnológicos. Fazer uso desses mecanismos em sala de aula ajuda no compromisso da escola em formar e preparar o aluno para o século XXI.

Vale notar, porém, que a utilização de recursos digitais na escola deve ser crítica, para que o educando não seja apenas um consumidor mas também tenha total condição de ser produtor.

Que tipo de tecnologia usar?

Suítes de produtividade, gerenciadores de tarefas em grupo, armazenamento em nuvem… o que não faltam são possibilidades. Em algumas escolas particulares, alunos recebem tablets e, por meio de uma plataforma em comum, conseguem manter comunicação direta com os professores. Pastas com arquivos de texto e vídeos comentados em aula, entrega de trabalhos adicionais, envio de material extra para leitura ou exercícios personalizados, dependendo das necessidades dos estudantes — tudo é possível online.

É fácil notar que as tecnologias que podem ser usadas pelo educador são muito similares às que os jovens usam no seu dia a dia. O maior desafio é fazer um bom uso dessas ferramentas em sala de aula, orientando os estudantes a uma experiência educacional, produtiva e positiva, evitando distrações e o consumo apenas para lazer.

Sem tédio nos métodos digitais

O uso constante de tablets na produção de conteúdo ajuda a substituir a famosa decoreba. Com tantas atividades, seja com o professor explicando um material multimídia, seja com o educando produzindo, a turma se mantém focada para realmente fazer o uso adequado dos sistemas — uma aula digital, mas parada, faz que o aluno procure apps e jogos e perca o foco.

Com recursos digitais, os professores não precisam levar provas para corrigir em casa e os estudantes não precisam esperar pelo resultado, já que algumas plataformas podem corrigir questões de certos exames instantaneamente após o término, automatizando parte dos processos. Com o uso contínuo desse tipo de ferramenta, os jovens começam a entender que os recursos tecnológicos não são apenas para redes sociais, jogos e edição de fotos, mas que é possível aprender por meio deles; e isso reflete no engajamento e rendimento.

Estamos próximos de 2020, e falar em educação sem falar em tecnologia é praticamente impossível, porque a Geração Y, como também são chamados os millennials, está inserida em um mundo tecnológico com smartphones, videogames, tablets e Internet das Coisas. Pensando nisso, reunimos algumas novidades que já conquistaram a atenção de alunos em várias escolas do País e que você pode considerar adotar com as suas turmas:

Cinco tecnologias que você pode adotar em sala:

  1. Ebooks: para obras do professor ou elaboradas pelos alunos, além de dicionários.
  2. Projeção em 3D: serão necessários um projetor e óculos 3D, mas será divertido.
  3. Gamificação: permite definir objetivos, fazer desafios e estimular competição saudável.
  4. Redes sociais: grupos de Facebook administrados pela escola podem ajudar.
  5. Aplicativos para celulares e tablets: apps fazem de tudo, então se você teve uma ideia nova certamente um aplicativo se encaixará.

Também selecionamos sugestões de apps e sites úteis em sala de aula:

1) AppProva é uma plataforma web que pode ser acessada por Facebook, celulares e tablets, reunindo vários aspectos tecnológicos que têm revolucionado o ensino.

2) Registro de Classe On-line é um software que permite ao professor registrar conteúdos, avaliações e frequência de alunos, dispensando o Registro de Classe impresso.

3) Geekie Lab é uma plataforma de ensino adaptativo que otimiza o tempo do professor para criar tarefas em segundos e apoiar o aluno no processo de aprendizagem.

4) Geekie Teste é uma ferramenta de avaliação externa baseada em dados que auxilia a tomada de decisões pedagógicas e a eficiência do ensino com informação eficaz.

5) Kahoot permite dinamizar o fim das aulas e realizar jogos seguindo a ideia de gamificação. O conteúdo está em inglês, mas pode ser adaptado para outras disciplinas.

6) No Google Forms, o professor pode criar uma tarefa no formato de formulário e acompanhar online o gráfico de produtividade dos alunos e suas respostas.

7) Socrative é uma solução, em inglês, que permite acompanhar a produtividade dos alunos tanto em exercícios quanto em alternativas de questões objetivas.

8) Prezi é uma opção gratuita e mais divertida ao PowerPoint ou Google Slides e possibilita a criação de apresentações dinâmicas com animações.

9) GoConqr é uma plataforma que pode ser utilizada para estudar por meio de mapas mentais ou flashcards (conjunto de cartas com temas), quizzes, slides dinâmicos e notas por assunto.

10) Escola Digital é um banco de objetos de aprendizagem separados por mídias, disciplinas e etapas, no qual você encontra recursos para enriquecer as suas aulas online.

Como vimos, a tecnologia já oferece aplicativos e dispositivos eletrônicos que facilitam os estudos, principalmente dentro do ambiente escolar, então é de total importância usar essas ferramentas para aproveitar ao máximo o tempo dentro de sala de aula com a sua turma.