No momento de escolher uma profissão, é muito importante analisar, em primeiro lugar, a afinidade que se tem com aquele segmento. Mas, ainda que se tenha certeza de que tal carreira foi feita para você, é preciso ter cautela. Não vale entrar em um curso, ficar anos estudando, graduar-se e quando finalmente chegar a hora de encarar o mercado de trabalho perceber que o salário não atinge as expectativas (ou, pior, sequer paga as contas).

Aos amantes de ciências exatas que querem seguir a área da engenharia de materiais: este texto é para vocês. Aqui, nós analisaremos não só o curso e a profissão mas também seu aspecto financeiro.

O que é a engenharia de materiais?

(Fonte: Giphy)

Como o nome já diz, é uma área da engenharia que estuda e pesquisa novas possibilidades no campo dos materiais. Em síntese, o profissional dessa área fica responsável por selecionar, especificar e implementar novos compostos e materiais na esfera industrial. Para ingressar no ramo não basta apenas gostar de matemática mas também mandar muito bem em química e física.

Como funciona a graduação?

(Fonte: Giphy)

Para segurar o diploma de engenheiro de materiais, muita dedicação é necessária. Mas não desanime! O curso pode se tornar muito interessante, principalmente para aqueles que já tem certa facilidade nas exatas.

Durante a faculdade, na formação básica, o aluno se depara constantemente com matemática, computação, desenho, física e química — em especial, essas duas últimas disciplinas viram as melhores amigas do estudante. Com o avanço da matriz curricular, disciplinas mais específicas aparecem, como:

  • Comportamento Mecânico dos Materiais;
  • Propriedade Física dos Materiais;
  • Química dos Polímeros;
  • Transformações de Fases;
  • Tratamentos Térmicos;
  • Técnicas de Análise de Materiais;
  • Processamento de Termoplásticos;
  • Corrosão e Degradação de Materiais;
  • Análise de Falhas.

Na reta final do curso, há obrigatoriedade de estágio e, como de praxe, exige-se o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

Áreas de atuação

(Fonte: Giphy)

Há determinadas áreas de atuação mais comuns para esse ramo. Veja algumas delas a seguir.

Pesquisa e desenvolvimento

Se um engenheiro de materiais precisa ser curioso, aquele que trabalha nesse campo deve ser ainda mais, já que é responsável pela análise de novos materiais, testando combinações e aprimorando suas propriedades. E, é claro, ainda estuda novas possíveis aplicações para os materiais recém-criados e para aqueles já existentes.

Controle de qualidade

Essa função pode ser explicada com bastante simplicidade: trata-se do controle de qualidade de novos materiais por meio da criação de padrões de “desempenho”. O profissional, basicamente, deve observar o comportamento daquele composto e testá-lo para verificar sua capacidade.

Gestão

O engenheiro gestor deve planejar, supervisionar e gerir a produção, a transformação e o uso do material criado. Ele acompanha todas as fases do material, estando presente desde a seleção de matéria-prima e a definição dos métodos a serem utilizados até a aplicação e o destino final.

Como é o salário do profissional da área?

(Fonte: Giphy)

De acordo com os dados recolhidos entre os anos de 2018 e 2019, um engenheiro de materiais recebe em média R$ 9.279,02 no mercado de trabalho brasileiro em uma jornada de trabalho de 42 horas semanais. É o que estimam o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e uma pesquisa do site Salário.com.br, por meio da análise de 135 recebimentos.

O perfil mais recorrente entre os profissionais é de homens na faixa dos 28 anos de idade, com o ensino superior completo e que trabalham por mais de 44 horas semanais. Ainda podemos fazer um recorte espacial da profissão: em todo o Brasil, a cidade que mais oferece vagas de emprego para esse campo é São Paulo (SP).

Remuneração por nível profissional

Em muitas profissões, o salário está diretamente ligado à experiência profissional, o que ocorre em diversas especializações da engenharia. A análise se dá pelo tempo de atuação em determinada empresa até a demissão, a partir do que é possível gerar três classificações:

  • júnior: até 4 anos de trabalho;
  • pleno: de 4 a 6 anos;
  • sênior: acima de 6 anos até a exoneração.

Um engenheiro de materiais júnior ganha R$ 8.125,88; um pleno recebe cerca de R$ 12.392,40; e um sênior, R$ 12.923,79.

Qual é o piso salarial?

(Fonte: Giphy)

Em todo o território brasileiro, o piso salarial para os cargos dessa área equivale a R$ 6.588,11 para uma jornada de trabalho de 48 horas por semana. Esse valor é a média da base salarial registrada no MTE, calculada juntamente com os salários nos locais com maior número de contratações.

Adicionais: a cereja do bolo

Adicional noturno

Os profissionais com jornada de trabalho noturna recebem um pagamento adicional de R$ 8,76 por hora. Dessa forma, se todas as horas do mês forem cumpridas no turno da noite, é possível receber até R$ 1.855,80 além da remuneração base.

Periculosidade e insalubridade

Tendo como base o salário médio (R$ 9.279,02), a periculosidade oferece um adicional de R$ 2.783,21 por mês (30%). Por outro lado, o cálculo da insalubridade não é tão simples, pois a categoria é dividida por graus:

1º grau: R$ 927,90 adicionais (10%);

2º graus: R$ 1.855,80 (20%);

3º grau: R$ 3.711,61 (40%).

Segundo determinação do MTE, a caracterização de ambas as categorias deve ser feita através da perícia de um médico do trabalho ou de um engenheiro do trabalho. Assim, vale dizer que nem todos os cargos oferecem condições compatíveis para esses extras.

E, ainda, é importante lembrar que a periculosidade e a insalubridade não são cumulativas: na presença de ambas, o profissional deve escolher uma das duas para receber seus adicionais mensalmente.

De maneira geral, pode-se afirmar que as carreiras dentro da engenharia de materiais se mostram muito promissoras. Aos que desejam se jogar de cabeça nesse campo, fiquem tranquilos, pois os números provam que a realidade financeira pode ser bem positiva. Para isso, basta escolher uma instituição confiável para cursar, dedicar-se e buscar especializações. Com essa receita para o sucesso, em pouco tempo você estará colecionando cifrões.


Se interessou pela área? Leia mais sobre o curso de Engenharia de Materiais!