Por ser uma profissão relativamente nova, com pouco mais de 70 anos, desde quando foi implantado o primeiro curso superior de Fisioterapia, aqui no Brasil todo conhecimento que envolve essa profissão está em constante atualização e atraindo novas demandas e processos. Para se ter uma ideia, o primeiro conselho regulamentador dos fisioterapeutas (Crefito-1) nasceu apenas em 1975; por isso é um campo de muito estudo e determinação.

(Fonte: Giphy)

O profissional de fisioterapia é responsável por identificar, analisar, tratar e prevenir distúrbios cinéticos funcionais do corpo humano. Isso significa medir a funcionalidade dos sistemas orgânicos e, a partir disso, elaborar o melhor tratamento para o paciente, de acordo com as necessidades identificadas.

Para a fisioterapeuta e especialista em fisioterapia cardiorrespiratória e terapia ocupacional, Joyce Vidal, um dos diferenciais que destaca o profissional da área é a capacidade de adaptação à realidade de trabalho, sempre utilizando a criatividade para auxiliar o tratamento do paciente. “É de suma importância a especialização, para que a nossa prática seja baseada em evidências científicas, e esse aperfeiçoamento nos traz esse caminho inicial”, comenta a especialista.

Já para a fisioterapeuta Cláudia Bandeira, especialista em docência em saúde e mestra em biofísica, um bom fisioterapeuta precisa ter compromisso com o paciente, realizando um atendimento humanizado, além de constantemente se atualizar e capacitar. “Especializar-se traz também melhores oportunidades de empregabilidade”, incentiva a fisioterapeuta.

Vejamos, então, as principais áreas de especialização para um fisioterapeuta.

Fisioterapia do trabalho

(Fonte: Giphy)

Nessa área, o fisioterapeuta atua em ambientes de trabalho, evitando o desgaste físico e mental dos funcionários. Muitas empresas têm investido nesse setor para prevenir lesões por esforço repetitivo (LER), por exemplo, e evitar possíveis afastamentos. As atividades que podem ser promovidas pelo profissional de fisioterapia são ginástica laboral e ergonomia, por exemplo.

Fisioterapia uroginecológica e obstetrícia

(Fonte: Giphy)

Essa prática vem ganhando bastante destaque, principalmente pelo aumento do interesse das mulheres em partos humanizados, ajudando no fortalecimento da região pélvica para o momento do parto. O fisioterapeuta especialista em uroginecologia e obstetrícia auxilia também o tratamento de disfunções dos sistemas reprodutor e urinário dos pacientes.

Fisioterapia neurofuncional

(Fonte: Giphy)

O profissional da área neurofuncional atua na recuperação das funções motoras, de força e movimento de pacientes que sofreram algum tipo de dano cerebral que afetou os sistemas nervoso, central e periférico.

> Leia mais sobre Mercado de Trabalho e Profissões

Fisioterapia geriátrica

(Fonte: Giphy)

Com o passar dos anos, debilidades motoras vão surgindo, e o especialista na área geriátrica é responsável por elaborar tratamentos voltados para as necessidades dos idosos.

Fisioterapia traumato-ortopédica

(Fonte: Giphy)

A especialização traumato-ortopédica é uma das mais populares na fisioterapia, pois previne lesões e auxilia a recuperação de pacientes que sofreram algum tipo de acidente ortopédico.

Fisioterapia dermato-funcional

(Fonte: Giphy)

Voltada para o tratamento de disfunções no sistema endócrino, a fisioterapia dermato-funcional oferece terapias que estimulam os tecidos das unhas, dos cabelos e pelos, por exemplo.

Fisioterapia desportiva

(Fonte: Giphy)

Responsável pelo acompanhamento de atletas tanto amadores quanto profissionais, a fisioterapia desportiva cuida da prevenção de lesões, manutenção e recuperação do corpo para as provas. Esse profissional também pode trabalhar auxiliando no preparo físico de pessoas que queiram iniciar atividades físicas como corrida e nado, por exemplo.

Fisioterapia respiratória em terapia intensiva

(Fonte: Giphy)

O fisioterapeuta especializado em cuidado respiratório em terapia intensiva auxilia o tratamento de doenças pulmonares e renais, ajudando a reabilitação de pacientes em quadros de unidade de terapia intensiva (UTI).

Fisioterapia oncofuncional

(Fonte: Giphy)

Responsável por pacientes diagnosticados com câncer, o fisioterapeuta oncofuncional trabalha na recuperação dos sistemas e órgãos afetados pelo tratamento da doença.

Terapia manual

(Fonte: Giphy)

Através do reconhecimento das lesões que incomodam o paciente, o profissional que aplica a terapia manual avalia as condições para elaborar um diagnóstico preciso e efetivo.

Existem diversas opções para quem deseja trabalhar com a fisioterapia. O profissional dessa área pode ocupar diferentes espaços de trabalho, desde o hospital, passando por ambulatórios, enfermarias, centros de terapia intensiva, até clubes de futebol, academias, times de lutas e a própria casa do paciente, com atendimento residenciais.

Segundo a fisioterapeuta Joyce Vidal, o constante aperfeiçoamento é o diferencial, já que a área da saúde se renova todos os dias com novas técnicas e tratamentos. “A nossa profissão é linda e apaixonante, e a cada conquista com um paciente tudo se renova para o profissional”, finaliza a especialista.