Saiba como vai funcionar o vestibular do Mackenzie

A pandemia do novo coronavírus gerou uma crise econômica sem precedentes no Brasil. Em julho, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios mostrou que havia 13,1 milhões de desempregados no País — um recorde histórico. Nesse cenário, muitas pessoas precisaram se reinventar profissionalmente.

Em períodos de crise — seja ela global ou pessoal — muita gente acaba encontrando uma oportunidade de dar um rumo mais criativo à carreira. Arranjar um jeito de se reconstruir pode ser trabalhoso, mas o que não faltam no mundo são belas histórias de superação. Confira algumas delas.

1. Seu Jorge

Antes de chegar ao sucesso, Seu Jorge morou nas ruas durante anos por conta de uma tragédia que marcou sua vida (Fonte: Shutterstock).

O cantor indicado duas vezes ao Grammy Latino não teve uma vida fácil. Seu irmão foi assassinado em uma chacina que desestruturou sua família e isso o levou a morar nas ruas por 3 anos, já que ele tinha medo de voltar para a sua comunidade.

Ainda assim, ele frequentava rodas de samba e funk nos morros cariocas. Quando conheceu o músico Paulo Moura, a vida de Seu Jorge começou a mudar, sendo chamado para espetáculos teatrais que o levaram à carreira musical. O resto dessa história é a carreira de sucesso que você já deve conhecer.

2. J. K. Rowling

A escritora J.K Rowling é uma das mulheres mais ricas do mundo, mas precisou se reinventar para chegar aonde está. (Fonte: Shutterstock)

Em 2017, ela foi apontada pela Forbes como a autora mais rica do mundo. Entretanto, a escritora da série Harry Potter passou por muitos perrengues antes da fama: de uma hora para outra, enfrentou um divórcio, o desemprego e a depressão.

Isso fez com que ela reavaliasse as prioridades de sua vida. Então, mudou-se para a Escócia, teve a ideia para a saga do bruxinho e conquistou o mundo. Ela vendeu mais de 500 milhões de cópias de seus livros, tem licenciamento para diversos produtos e ainda arranja tempo para fazer doações. Rowling inclusive deixou de ser bilionária de tanto investir em instituições beneficentes.

3. Viviane Ávila Barbosa

A pandemia do novo coronavírus afetou a escola especializada em beleza da empresária gaúcha Viviane Ávila Barbosa. A crise afetou em cheio o negócio de quase 5 anos, que ficou fechado durante meses, sem o pagamento de parcelas dos alunos.

Para manter a renda, a família de Viviane investiu na produção de esfirras, que seu marido, de ascendência libanesa, fazia muito bem em casa. O novo empreendimento deu tão certo, em Caxias do Sul (RS), que a empresária pretende continuar com a produção mesmo quando a escola reabrir.

4. Laíssa Martins

A história de superação de Laíssa é surpreendente: ela saiu do lixão direto para os bancos universitários. A ex-catadora de lixo nasceu em uma comunidade carente de São Paulo (SP) e tinha 14 irmãos.

Para ajudar em casa, entrou em uma cooperativa de coleta seletiva do lixo, mas começou a guardar os livros que encontrava. Eles foram o material que levaram Laíssa a passar no vestibular de Gestão Ambiental, em 2011, na Universidade de São Paulo (USP), quando tinha apenas 19 anos.

5. Gisele Bündchen

Depois de 42 rejeições de agências, Gisele Bündchen se tornou uma das modelos mais famosas do mundo. (Fonte: Shutterstock)

A gaúcha Gisele Bündchen se tornou famosa internacionalmente, ditando as tendências da moda durante muitos anos. Antes disso, porém, Gisele precisou enfrentar diversas negativas: nada menos do que 42 pessoas rejeitaram agenciar ou contratar a modelo, antes de ela se tornar famosa.

Os recrutadores reclamavam de seu corpo, de seu rosto e de seu modo de desfilar. Ela não desanimou com as recusas. O resultado pode ter demorado um pouco para acontecer, mas a transformou em uma das mais conhecidas modelos da história.

Fonte: Diário do Comércio, ClicRBS, Catho, IBC Coaching.