A religião chegou a orientar a organização política e social de diversas comunidades ao longo da história e, não raro, também desempenhou um papel questionador, oferecendo respostas para os grandes dilemas da humanidade. Fica mais fácil entender assim por que a Teologia, o estudo da natureza do divino, é uma área tão ampla e importante.

Há, inclusive, diferentes ramos dela. A Teologia Histórica, por exemplo, busca resgatar a origem das ideias teológicas e da formação das doutrinas religiosas, levando em conta o contexto histórico. Já a Teologia Aplicada é baseada no emprego dos aprendizados teóricos na vida cotidiana.

Na Teologia Bíblica, o intuito é estudar a obra sagrada cristã, compreendendo cada livro da Bíblia, para entender a função das escrituras e como se deu a evolução da doutrina ao longo do tempo. Na Teologia Sistemática, o caminho é a divisão da doutrina por tópicos específicos da religião; busca-se nas escrituras e concepções cristãs o que é dito sobre cada um desses tópicos.

Voltado à formação de profissionais capazes de observar cientificamente esses fenômenos — seja para exercerem a função de pesquisadores ou para seguirem no sacerdócio —, o curso de Teologia traz, ao longo de 8 semestres, disciplinas como Hermenêutica Bíblica (interpretação da Bíblia), Ética, Filosofia da Religião, História da Teologia, Sociologia da Religião, dentre outras.

Além de oferecer um melhor entendimento das questões que permeiam as religiões, a graduação em Teologia abre uma gama de possibilidades de atuação no mercado. Veja algumas dessas possíveis carreiras.

Ensino

(Fonte: Pexels)

O graduado em Teologia pode ser professor. Com os conhecimentos adquiridos durante o curso, ele está apto para lecionar em escolas de Ensino Fundamental e Médio. A atuação no nível superior também é possível, mas o normal é que se exija, nesse caso, uma pós-graduação.

Pesquisa

(Fonte: Pexels)

Um mestrado ou um doutorado significam dedicação à pesquisa científica, já que o teólogo precisa desenvolver uma dissertação ou tese para obter o grau que está buscando. Essa também é uma atuação que pode estar profundamente ligada ao ensino, já que é exigência para os professores do nível superior em boa parte das universidades.

Mercado editorial

(Fonte: Pexels)

O trabalho com livros de temáticas religiosas, que possuem um bom lugar no mercado editorial, é outro caminho. É possível trabalhar com escrita, edição e revisão de conteúdo. Artigos em revistas e jornais podem ainda entrar no escopo do teólogo que decida usar a formação adquirida para trabalhar como escritor.

Sacerdócio

‌‌(Fonte: Pexels)

Apesar de o curso não ser uma formação para padres e pastores (afinal, nem é preciso ter uma religião para cursar Teologia), o sacerdócio pode ser o objetivo dos graduandos. Algumas instituições ou religiões demandam outros cursos preparatórios — é o caso da Igreja Católica, que exige a conclusão do seminário.

Consultoria e aconselhamento

(Fonte: Pexels)

Especialista em assuntos religiosos, o teólogo pode atuar ainda como consultor para empresas e instituições que considerem a religião algo importante para o dia a dia. É possível também realizar aconselhamento espiritual em hospitais ou presídios, onde as doutrinas podem servir como forma de conforto e dar um novo significado à vida das pessoas.

Administração

(Fonte: Pexels)

O teólogo pode atuar como administrador da sua própria instituição religiosa, tomando definições acerca da gestão de uma igreja ou atendendo às necessidades dos frequentadores, por exemplo. Instituições de caridade ou Organizações Não Governamentais (ONGs) também precisam de administradores, posição que pode ser ocupada pelo teólogo.